Bem vindos leitores ao primeiro post de literatura e post inaugural da Matraca Cultural. Toda sexta estarei aqui com vocês compartilhando informações sobre livros.

Por Fernanda Beziaco

Para começar, escolhi o livro que originou o filme A Rede Social, que causou (e ainda causa) muita polêmica. Bilionários por acaso – a criação do Facebook – Uma história de sexo, dinheiro, genialidade e traição, de Ben Mezrich.

Diferente do filme, o livro está em ordem cronológica, o que para o leitor é mais fácil de acompanhar, mas vocês logo vão perceber que toda a trama que costura o filme não está no livro, que são os processos pelo qual Mark Zuckerberg passa. No livro estes processos só vão aparecer 5 capítulos antes do final.

Um fato interessante é que, em uma entrevista o próprio Mark diz que estes processos não ocuparam nem duas semanas de sua vida e não afetou em nada o desempenho do Facebook. Outro ponto importante a ressaltar é que o livro não teve sequer um depoimento ou versão do Mark, o que deixa o livro sob algumas perspectivas, mas o “objeto central” da história, não contribuiu para ela. É neste momento que você deve pensar: até onde essa história é real?

O livro, na verdade, é praticamente a versão do Eduardo Saverin sobre toda a história. Com um pouco de ficção, algumas distorções, alguns exageros…

Uma das contradições do livro é o “lance” de o facebook ter sido criado com o objetivo de conhecer garotas, sexo, mulheres, etc. Tanto no livro, como no filme, Mark tinha namorada antes de começar a desenvolver o facebook.

Não, no livro não tem a conversa de Mark e sua namorada, mas tem os relatos do término e seu acesso de raiva no blog, de onde surgiu a idéia de comparar as garotas com animais e depois as garotas com as garotas, o Face Mash.

Em entrevista Mark se refere a essa questão da mesma forma, ele namorava antes, por que criaria algo pra “conquistar” mulheres se ele não era um solteirão? A questão é que tanto no livro, como no filme, Mark aparece muito introspectivo, o que não é exatamente o que parece ser na vida real. De fato, o filme o mostra ainda mais introspectivo do que no livro. Vocês vão perceber isso.

O desenrolar do livro é bem pontual, Mark é reconhecido por criar o face mash. Os gêmeos o querem para criar o site Harvard connection. O Mark cria o facebook, chama o Eduardo pra ser sócio, dispensa os gêmeos. Sean Parker procura Mark, Mark se alia a Sean, Sean e Eduardo não se dão bem. Os gêmeos se revoltam contra Mark. Eduardo é “roubado”. Os gêmeos processam Mark, Eduardo processa o Mark. Como Mark, entenda também Facebook. E a vida do Facebook vai de vento em popa, assim como a vida do Mark, que é o jovem mais rico do mundo.

Ele é um gênio ou teve sorte? Ele roubou ou criou o facebook? Ou ele é um gênio de sorte que criou o facebook a partir de uma boa idéia que outra pessoa teve? Gênio ou não, facebook rules!

O livro vale sua leitura, mas também vale uma boa pesquisada nas entrevistas do Mark, do Eduardo, dos gêmeos (tudo disponível no Youtube). E, todos eles estão no facebook, você também pode vê-los lá.

Sobre o autor, além deste livro que virou filme, você deve se lembrar do filme Quebrando a Banca, que também é baseado em um livro dele.

Se você gostou, ou não gostou, abra a matraca! Se quiser sugerir algum livro pra dissecarmos aqui, mande o título e autor nos comentários.
Até a próxima sexta!