por Fernanda Beziaco

Enfim sexta! Como vocês já sabem, toda sexta é dia de post de literatura aqui no Matraca. Então sem delongas vou começar. O livro escolhido de hoje é Querido John do Nicholas Sparks.

Sparks é um dos autores com maior número de livros adaptados para o cinema, como Um amor para recordar, A última música, Diário de uma paíxão, Noites de tormenta, Carta de amor e, inclusive Querido John.

É difícil para mim falar sobre o livro sem comentar sobre o filme, então, antes de mais nada, vou falar exatamente o que pensei do livro. Meloso e entediante.

Devo explicar, porém, que muitas pessoas me falaram sobre o livro e eu acabei criando aquela expectativa irracional na leitura e me decepcionei. Queria saber o que Nicholas estava pensando ao escrever esse romance…

Ok, desgosto colocado de lado, vamos ao enredo dessa história.

O livro divide-se em três partes: a primeira, que ocupa mais da metade do livro, desenvolve a história de John, soldado, que em um dos seus tempos de folga vai a sua cidade, onde mora seu pai e, conhece Savannah. Savannah é uma garota perfeita, o que pra mim causou muito incomodo, ninguém é tão perfeito. É claro que essa é a visão do John sobre a garota, já que é o John o narrador, mas mesmo assim é bastante enfadonho. Se apaixonam, compartilham momentos e, a primeira parte termina com a primeira carta de Savannah para John, quando ele volta a campo.

A segunda parte do livro, é bem curta e, pra mim, a melhor parte. Nessa parte tem um drama mais realístico, já que o autor inclui o atentado de 11 de setembro na história. E, termina também com uma carta dela, porém, dessa vez, terminando o relacionamento deles.

E, por fim, a parte três, que vai tratar de desembaraçar os mistérios do término, além de contar a imersão de John na guerra na tentativa de esquecer sua amada.

Se me permitem dizer, o fim no livro não é nada parecido com o do filme, pelo menos nisso não houve o clichê que os filmes holliwoodianos adoram.

Volto a insistir que essa é minha opinião e, que talvez pelo excesso de expectativas gerada, fiquei assim tão entediada com ele. Mas, é sempre bom ler. O livro tem quase 300 páginas e se você tem leitura rápida e dinâmica, conseguira lê-lo em três dias.

Se você gostou do livro, abra a matraca antes de sair!
Se não gostou, abra a matraca também!

Não esqueça de deixar sugestões para os próximos posts, logo logo pode ver sua sugestão publicada aqui.

Até a próxima sexta e ótimo final de semana pra vocês!

twitter

facebook