Por Marco Barone

Sabe a expressão é feio, mas é bonito? Bem, isso pode ser entendido com os costumes e culturas de algumas civilizações. O que para alguns povos, pode ser considerado feio, falta de educação, para outros é normal e sinal de agradecimento. Vamos a alguns fatos e costumes:

Você sabia que arrotar à mesa, depois das refeições não é falta de educação em muitos lugares, muito pelo contrário. Ah, só para constar, arroto é o nome vulgar para da eructação.

Vamos a alguns exemplos: para os árabes, arrotar após a refeição é sinal de que o convidado apreciou o prato. Já os japoneses acham supernormal fazer barulho enquanto tomam sopa (pena não ter morado no Japão quando eu era pequeno).

Tem mais: na Itália, palitar os dentes após as refeições significa que gostou da refeição; na China, assoar o nariz na rua ou cuspir são sinais de higiene, significa que está tirando algo sujo de dentro do corpo; grande parte dos indianos e marroquinos tem o hábito de comer com a mão (e a direita); mostrar a língua um para outras pessoas, em algumas tribos do Tibete, é um ato de cumprimento; larvas, abelhas e grilos fritos são aperitivos na Tailândia.

Esses são costumes que têm origem no passado e, de forma atávica, foram se moldando aos novos tempos – resistindo bravamente. Mas há um costume que existia na Roma Antiga que, ainda bem, não vingou. Aliás, tem muita coisa que era feita por lá que existe até hoje, mas isso é assunto para outro artigo.

Na Roma Antiga, na época dos césares, era normal que os mandatários e senhores ricos organizassem lautas festas, regadas a bom vinho e muita comida. Festas em adoração a Dionísio, o deus do vinho (Baco, para os gregos), mas eram de “arrasar quarteirão”, com muita orgia e tudo o que se podia imaginar…

Esses encontros demoravam dias para acabar e higiene e educação não eram muito o forte desses romanos. Eles ficavam em um espaço, comiam muito, bebiam muito, dormiam, acordavam e voltavam a comer muito, beber muito, transavam com quem achassem que deviam transar (homens e mulheres). Tudo isso, sem sair do lugar.

Em determinada hora entravam escravos com penas e bacias. Os senhores pegavam as penas e as engoliam até quase a ponta. Depois puxavam a pena e vomitavam nas bacias que os escravos seguravam perto deles. Alguns palácios tinham o requinte de ter locais especialmente construídos para essa finalidade. Quem sabe não reside aí a origem da bulimia.

Bem, então, antes de comerem ou fazerem alguma coisa que pode ser considerada feia, lembrem-se desses povos. Ou quem sabe, mudem para esses lugares se for difícil se acostumar às regras.

 

 

Anúncios