Por Juliana Maffia

Não dá para negar que a Virada Cultural é um evento em que o foco é a música. O que mais chama o público são os artistas que se apresentaram durante os dois dias de evento. Imagino que seja por esta razão que dos cinco cinemas abertos, três tinham uma programação voltada aos musicais.

No CineSesc pudemos conferir uma exibição única do filme O Mágico de Oz. Conhecido por alguns como The Dark Side of the Rainbow, essa exibição é o resultado da união entre O Mágico de Oz e o cd The Dark Side of the Moon, do Pink Floyd. Com certeza não é algo que dê para conferir no cinema, ou mesmo em casa, qualquer dia. Para quem não sabe existe um mito em torno do cd e do filme. Muitos fãs acreditam que o cd foi feito em perfeita sincronia ao filme. 

Nos cinemas Windsor, Olido e Dom José, encontramos corujões à la Cine Belas Artes. Foram maratonas temáticas, com um tema mais divertido que o outro. Eram eles: Mostra Zé do Caixão, Cinema Canibal e Cinema Catástrofe, respectivamente. Os outros três cinemas participantes, Palácio do Cinema, CineSesc e Cinemateca trouxeram ao público filmes musicais ou que tinham a música como argumento principal.

A escolha dos filmes foi legal, especialmente quanto as mostras. Acho que essa seleção deixou a desejar na Cinemateca, que tinha na sua lista Alvin e os Esquilos 1 e 2. Por outro lado, o Palácio do Cinema misturou bem os filmes. Foi possível ver desde Burlesque a South Park.

Com filmes ruins ou bons, o importante é que a mostra dá oportunidade a todos de tirar proveito de um pouco de cultura.

Anúncios