Por Flávia Lezza

Paulinho Moska sabe realmente como agradar o público. O que era para ser uma performance ao estilo banquinho e violão, tornou-se em uma apresentação envolvente e aprovada pela plateia, formada principalmente por casais apaixonados. O show, realizado no último dia 7, integrou o projeto “Sons da Nova”, promovido pela Rádio Nova Brasil.

O grande presente do cantor aos fãs foram as faixas do novo disco MUITO e POUCO, como Canção Prisão, Nuvem (com direito a coreografia bem humorada), Provavelmente Você e as canções Saudade e Waiting for the Sun to Shine, resultado das parcerias com os cantores Chico César e Jorge Drexler respectivamente. O encontro musical com o uruguaiano Drexler se deu durante uma viagem de Moska pela América Latina.

De todas as músicas que fizeram parte do repertório, as canções A Seta e o Alvo, A idade do Céu e Pensando em Você (esta é realmente linda e emocionou a plateia), foram aquelas que o público ficou esperando ansiosamente e, claro, fizeram um grande coro cantando com o músico.

Durante os intervalos das músicas, Moska contou muitas histórias e aventuras vividas durante a turnê internacional até parar aqui em Sampa, fez crítica às novas tecnologias e brincou com a forma de criação musical feita atualmente com meios eletrônicos. Ele porém afirmou que gosta de muita coisa que se tem feito com o uso dessas inovações tecnológicas. Falou também da diversidade de opiniões que os jornalistas têm hoje em dia, devido à criação de blogs por exemplo.

Fotografias feitas pelo músico durante as turnês compuseram o cenário do show. Ficou curioso para saber que tipos de imagens eram essas? Então, as fotos foram feitas por ele próprio em quartos de hoteis que se hospedou. São reflexos do cantor em objetos metálicos das acomodações por onde passou. Durante três anos desta experiência, foram 4.500 fotografias em média. Inusitado para um músico, não acha? Uma delas feita através de uma torneira em formato de diamante em um hotel do Japão deu origem à canção Lágrimas de Diamantes.

Moska se apresentou durante três dias no Tom Jazz e, para os que não viram a nenhum dos shows, perderam um espetáculo repleto de canções interpretadas com muito carinho e carisma, eu (Parafraseando o final da canção Soneto do teu corpo) Juuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuro!