Por Marco Barone

Meu avô Tonico, cidadão do interior, cheio de histórias, costumava brincar que quando a gente está em uma conversa ou querendo puxar assunto e não tem o que falar o ideal era seguir o seguinte diálogo:

– Você já viu capar cavalo?

– Não!?

– É bonito, mas é triste!

É claro que isso nunca deveria ser feito, mas servia de alegoria para dizer: “quando não se tem assunto, qualquer tema é válido”. O tema de hoje de blog vai por aí. Quando não se tem nada para falar, sempre há algum assunto para se recorrer. Dessa forma, puxando pela memória – e por uma pesquisa na internet – passo algumas informações que, um dia, podem ser úteis quando faltar assunto.

Alguém sabe falar rapidamente o nome de todos os sete anões da Branca de Neve? Em ordem alfabética: Atchim, Dengoso, Dunga, Feliz, Mestre, Soneca e Zangado. Já que estamos no sete, os Sete Pecados Capitais, na ordem: Gula, Avareza, Inveja, Ira, Soberba, Luxúria e Preguiça. As Sete Virtudes, em contraposição aos pecados, são, na ordem: Temperança, Generosidade, Caridade, Paciência, Humildade, Castidade e Diligência.

Qual o nome dos três reis magos? Belchior (também Melchior), que deu ouro (símbolo da Sua nobreza) ao menino Jesus; Gaspar, que ofereceu incenso (representando a divindade de Jesus); e Baltazar, que deu mirra (uma erva amargam que simbolizava o sofrimento que Cristo enfrentaria na Terra).

Voltando ao sete: as Maravilhas do Mundo Antigo: as Pirâmides do Egito, as Muralhas e os Jardins Suspensos da Babilônia, o Mausoléu de Helicarnasso (ou O Túmulo de máusolo em Éfeso), a Estátua de Zeus, de Fídias, o Templo de Artemisa (ou Diana), o Colosso de Rodes e o Farol de Alexandria. As Maravilhas da Era Medieval: Stonehenge, Coliseu de Roma, Catacumbas de Kom el Shoqafa, Torre de Porcelana de Nanquim, Muralha da China, Torre de Pisa e Basílica de Santa Sofia. As Sete Maravilhas do Mundo Moderno: Grande Muralha da China, Taj Mahal, Cristo Redentor,  Migração do Serengueti, Ilhas Galápagos, Grand Canyon e Machu Picchu.

As sete notas musicais: Dó, Ré , Mi, Fá, Sol, Lá e Si. Elas são uma homenagem a São João Batista, com seu hino: queant laxis (ut) Para que possam, Resonare fibris ressoar as, Mira gestorum maravilhas de teus feitos, Famulli tuorum com largos cantos, Solve polluit apaga os erros, Labii reatum dos lábios manchados Sancti Ioannis Ó São João.

Os dias, em todos os idiomas, com exceção da língua portuguesa, mantêm os nomes dos sete corpos celestes conhecidos desde os babilônios: Domingo – dia do Sol, Segunda – dia da Lua, Terça – dia de Marte, Quarta – dia de Mercúrio, Quinta – dia de Júpiter, Sexta – dia de Vênus e Sábado – dia de Saturno. Um aparte, por que os dias da semana, em português, levam a palavra “feira”?

No ano de 563, após uma reunião de bispos da igreja católica na cidade de Braga, em Portugal, o bispo Martinho de Braga decidiu que os nomes dos dias da semana iriam mudar, pois os nomes usados até aquele momento faziam alusão a deuses pagãos. Ficou decidido que a palavra “Feira” seria incluída nos dias da semana que antecedem a Páscoa, pois é uma semana em que o cristão devia descansar. Com o passar do tempo, sabe-se lá por quais motivos, o nome com a palavra “feira” passou novamente a ser usado para todos os dias da semana. O sábado deriva de “Shabbat”, dia de descanso dos Judeus. O domingo vem novamente do latim “Dies Dominicus” que significa “Dia do Senhor”.

Voltemos ao tema. As sete cores do arco-íris são vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. Os Doze Apóstolos: Simão Pedro, Tiago (o maior), João, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tiago (o menor), Simão, Judas Tadeu, Judas Iscariotes (após a traição, os outros onze apóstolos elegeram Matias para ocupar o seu lugar), André e Tomé.

Os Doze Profetas do Antigo Testamento: Isaías, Jeremias, Jonas, Naum, Baruque, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Abdias, Habacuque e Amos. Os Quatro Evangelistas e seus símbolos: Lucas (representado pelo touro), Marcos (representado pelo leão), João (representado pela águia) e Mateus (representado pelo anjo). Os quatro elementos e os signos: Terra (Touro – Virgem – Capricórnio), Água (Câncer – Escorpião – Peixes), Fogo (Carneiro – Leão – Sagitário) e Ar (Gêmeos – Balança – Aquário).

O significado dos meses do ano: Janeiro: homenagem ao Deus Janus, protetor dos lares; Fevereiro: mês do festival de Februália (purificação dos pecados), em Roma; Março: em homenagem a Marte, deus guerreiro; Abril: derivado do latim Aperire (o que abre). Possível referência à primavera no Hemisfério Norte; Maio: acredita-se que se origine de maia, deusa do crescimento das plantas; Junho: mês que homenageia Juno, protetora das mulheres; Julho: No primeiro calendário romano, de 10 meses, era chamado de quintilis (5º mês). Foi rebatizado por Júlio César; Agosto: Inicialmente nomeado de sextilis (6º mês), mudou em homenagem a César Augusto; Setembro: era o sétimo mês. Vem do latim septem; Outubro: Na contagem dos romanos, era o oitavo mês; Novembro: Vem do latim novem (nove); e Dezembro: era o décimo mês.

Agora você tem assunto!!!

Anúncios