por Juliana Maffia

O Amor Custa Caro é daqueles filmes que você aluga pela capa. Isso se você nunca ouviu falar dos irmãos Coen. Eu imagino as pessoas passeando em suas respectivas locadoras, encontrando o filme com os rostinhos de George Clooney e Catherine Zeta Jones estampados na capa. Bingo. Filminho para o domingo a noite. Sorte destes desavisados, afinal o filme é bom. Mas, se eles esperavam aquelas comédias românticas manjadas, aí sim escolheram o filme errado.

Vamos à trama. O filme não fala de duas pessoas que se conhecem no parque, ou na internet, e se apaixonam. Clooney é advogado, ele cuida de divorcios mais específicamente. Zeta Jones é a futura ex-mulher de seu cliente. O problema, além do óbvio, é que Clooney nunca perde um caso. Incluindo este. Zeta Jones fica sem marido e sem dinheiro. Mas ela não erra duas vezes, quando se casa novamente pede para que Clooney seja seu advogado, garantindo uma boa grana do divórcio. Em meio a isso o advogado se apaixona por essa figura sem escrúpulos e misteriosa. Agora fica a dúvida se é mesmo uma boa ideia se apaixonar por uma mulher como ela.

Para mim, os irmãos Coen tem um estilo muito claro, assim como, por exemplo, o Tim Burton ou o Woody Allen. Quando você começa a assistir qualquer filme deles (drama e/ou comédia) fica claro quem está na direção. Isso significa que, assim como seus outros filmes, O Amor Custa Caro é cínico. O filme termina e você tem certeza que os diretores estão rindo da sua cara. Mas, enfim, o cinema deles é assim. As coisas vão se desenrolando e você quase que não acredita.

Quanto as atuações, os Coen tem um relacionamento muito bom com grandes atores hollywoodianos, por isso as participações são ótimas. Participa: Geoffrey Rush, Billy Bob Thorton, Cedric the Entertainer, Edward Hermann (pai do Riquinho Rico hehe) e Richard Jenkins. Alguns deles são figurinha marcada nos filmes dos irmãos. No geral, o filme traz um toque diferente para uma temática manjada, a da comédia romântica. Não é o melhor, ou mais recomendado, filme dos irmãos Coen. Mesmo assim, se tiver de bobeira, alugue-o.