por Juliana Maffia

Quando se trata de contos de fadas costumamos nos apegar aos clássicos como Branca de NeveBela Adormecida e todos os incontáveis desenhos já feitos pela Disney. Mas existem outras histórias, tão fantasiosas e tão interessantes quanto estes antigos contos. Histórias que envolvem príncipes, bruxas e terras mágicas. Stardust é uma delas.

Como é de costume com estes contos de fadas, o herói é um menino pouco afortunado que não conhece muito do mundo. Nosso herói chama-se Tristan Thorn e mora em um pequeno vilarejo inglês cercado por uma muralha mágica. Nada se sabe sobre a tal muralha, a não ser o fato de ser proibido cruzá-la. Tristan não liga muito para o muro, mas sua amada, pouco interessada nele, promete ao garoto que ela casaria com ele caso ene conseguisse buscar uma estrela cadente, que teria caído depois do muro.

Assim começa a aventura do jovem inglês. Não vou dar muitos spoilers, mas posso dizer que o filme tem todos os ingredientes de uma boa fantasia, com piratas, bruxas, príncipes, reis e, é claro, uma estrela cadente.  Além do fator mais importante de todos, Tristan tem algumas lições a aprender antes de terminar sua viagem e conquistar o amor de sua vida.

Os pontos fortes do filme são também seus pontos fracos. Eu estou falando do elenco. Os dois atores principais são bem fraquinhos, Charlie Cox como Tristan e Claire Danes como Yvaine, a estrela. Mas, em compensação, escolheram ótimos atores coadjuvantes cujas participações fazem o filme valer a pena. Cito como exemplo Michelle Pfeifer, como a bruxa caquética, Robert De Niro, como um pirata afeminado e o maravilhoso Mark Strong, como príncipe. Outros grandes nomes participam, mas em papéis menores.

A história é baseada no livro homônimo de Neil Gaiman e não é uma adaptação fiel, mas posso dizer, mesmo sendo fã do escritor, que o filme chega a ser uma versão mais divertida. Eles diluem bastante do livro original, mas isso ocorre para uma melhor apreciação do público alvo. Quem dirige o longa é Matthew Vaughn (conhecido por Kick Ass e X-Men: Primeira Classe), usando bem os artifícios que são possíveis em um filme onde não há muito onde ousar.

Stardust é um dos meus filmes favoritos, tanto pela sua história quanto pelo humor. Não é um filme de grandes pretensões, mas vale a ida à locadora!  😉