Por Marco Barone

Por mais que as pessoas considerem o tema um tanto tenebroso, não há dúvida que a morte é um assunto que fascina. Fascina pelo desconhecido, fascina por ser a única certeza, fascina porque não tem motivo para fascinar. O medo leva a crendices e a morte tem toda uma aura de mistério, de segredo, de incertezas. Essas incertezas estão no nosso imaginário e todos têm alguma superstição, mania, mandinga ou ideia guardada sobre a boa hora.

Este post vai relacionar algumas crendices e superstições com relação à morte que estão em nosso folclore:

• Quando morre uma pessoa, deve-se abrir todas as portas para a alma sair. Fecham-se, porém, os fundos da casa. A alma deve sair pela frente. A casa não deve ser fechada antes de sete dias, pois o fel (as vísceras) do defunto só se arrebentará nesse prazo. Então a alma vai para o seu lugar. A novena de defunto é para a alma ir para onde foi destinada

• Não se deve chorar a morte de um anjinho, pois as lágrimas molharão as suas asas e ele não alcançará o céu

• Quando a pessoa tem um tremor, é porque a morte passou por perto dela. Deve-se bater na pessoa que está próxima e dizer: Sai morte, que estou bem forte

• Acender os cigarros de três pessoas com um fósforo só, provoca a morte da terceira pessoa. Outra versão: morrerá a mais moça dos três fumantes

• Derrubar tinta é prenúncio de morte

• Quando várias pessoas estão conversando e param repentinamente, é que algum padre morreu

• Quando uma pessoa vai para a mesa de operação, não deve levar nenhum objeto de ouro, pois se tal acontecer, morre na certa

• Não presta tirar fotografia de três pessoas ao mesmo tempo, pois morre a que está no centro

• Doente que troca de cama, morrerá na certa. Outra versão: não morrerá

• Não se deve deitar no chão limpo, pois isso chama a morte para uma pessoa da família

• Quando pessoas vão caçar ou pescar, nunca devem ir em número de três, pois uma será picada por cobra e morrerá na certa

• Quem come o último bocado (pedaço de alguma comida) morre solteiro

• Defunto que está com braços duros, amolece-os se pedir que assim faça

• Defunto que fica com o corpo mole é indício de que um seu parente o segue na morte

• Quando o defunto fica com os olhos abertos é porque logo outro da família o seguirá

• Não se deve beijar os pés de defunto, pois logo se irá atrás dele, morrendo também

• Na hora da morte, fazer o agonizante segurar uma vela para alumiar o caminho que vai seguir

• Em mortalha, a linha não deve ter nó

• Água benta ou alcânfora temperada na pinga joga-se com um galho de alecrim, sobre o defunto

• Quando uma pessoa jogar terra sobre o defunto na cova, deve pedir-lhe que arranje um bom lugar no além. Se ele for para um bom lugar, arranjará; se para um mau quem pede está azarado. Bom é pedir lugar para o cadáver de um anjinho, pois este sempre vai para um bom lugar

• Não se deve trazer terra do cemitério quando se volta de um enterro, pois ela traz a morte para a casa

• A pessoa que apaga as velas após a saída do enterro morrerá logo. É bom colocar perto do caixão do defunto um copo d’água benta

• Não presta ver muitos enterros, pois com isso se chama a morte para si

• Quando passa um enterro, não se deve atravessar o acompanhamento, pois isso traz a morte para pessoas da família. Bom é acompanhar o enterro

• Não presta acender só três velas para defunto; deve-se acender quatro

Em um próximo texto vamos abordar como alguns países tratam seus mortos e como se dão os sepultamentos em diversas culturas.