Por Antonio Saturnino

Bom, hoje vou pegar um gancho com Renniê que, por diversas vezes, fez críticas ao incentivo e estrutura de teatro em seus textos aqui no Matraca.

Antes de tudo, nossa equipe participou nas últimas semanas de grandes eventos musicais e logo teremos atualização de nosso Flickr com fotos desses shows, novos vídeos no TV Matraca, além de várias outras novidades que estamos preparando para vocês.

Voltemos ao post desta semana.

Na semana passada, mais precisamente na terça-feira, 9 de agosto, fui ao show do Erasure, no Credicard Hall (pelo texto que postei antes sobre a banda, devem imaginar como sou fã deles). Cheguei à casa faltando menos de duas horas para começar a apresentação, pensando que a fila já estaria significativamente grande e que eu ficaria em um ponto da pista em que eu, no alto dos meus 1,70m, não conseguiria ver o palco com tanta facilidade.

Para minha surpresa, quando cheguei havia exatamente cinco pessoas na minha frente. As horas avançavam e a movimentação não mudava muito. Quando os portões se abriram, não havia mais do que 20 pessoas no local. Conversando com algumas pessoas na fila soube que muitos ingressos foram vendidos em sites de compras coletivas pela metade do preço. Pensei no grande fiasco que o show seria.

Erasure: formada em 1985 pelo tecladista e guitarrista Vince Clarke e pelo vocalista Andy Bell

Os preços das entradas chegaram a R$ 350,00. Um absurdo! Vendo o custo de outros shows internacionais e de grandes eventos culturais, vi que este valor, em alguns casos, pode superar demasiadamente este preço, que já é um tanto salgado. Como se não bastasse, é cobrada também a taxa de conveniência, que é uma nova facada.

Não há o que justifique este valor exorbitante. Se alguém tiver a curiosidade de comparar o preço de shows, de um mesmo artista, em países diferentes, verá como nosso bolso sofre por aqui.

Ainda assim, estes eventos costumam ter sua lotação esgotada, principalmente porque, durante muitos anos, vimos poucos artistas gringos por aqui. É fato que o poder econômico é bem maior que em outros tempos, mas não há bolso que aguente. Este é um dos principais motivos para o alto número de falsificação de documentos de estudante. Muitos vêem este meio como uma saída, mesmo que ilícita, para poder prestigiar músicos esperados há tanto tempo, mas a preços mais “camaradas”.

Voltando ao show do Erasure, nos 45 minutos do segundo tempo, a movimentação da plateia aumentou e salvou o grupo inglês do fiasco. Mas, caso a facada não seja mais suave, muitas outras apresentações podem se tornar uma grande humilhação para o artista, em se tratando do volume do público e isso pode afastar, novamente, os ídolos estrangeiros dos palcos tupiniquins.

Anúncios