Por Antonio Saturnino

Hoje nosso espaço de cinema entra em clima nostálgico. Há pouco mais de 26 anos, no dia 7 de junho de 1985, para ser mais exato, estreiava um dos filmes que viria a se tornar um clássico daquela década. Quem não se lembra da célebre frase “Sloth quer chocolate”? Ou do grupo de crianças em busca do tesouro do pirata Willy Caolho? Ou até mesmo dos Fratelli, a família de italianos mafiosos?

A estas alturas vocês já devem ter percebido que o post de hoje é sobre um dos maiores sucessos da Sessão da Tarde, Os Goonies. O filme tem alguns ingredientes que garantem o êxito da trama: armadilhas, passagens secretas, perseguições, super inventos, amizade sincera, confusões… Ou seja, impossível dar errado. Sem falar que quem contribui com as ideias fantasiosas, é Steven Spielberg.

Goonies é o nome de um grupo de amigos, cujas famílias estão em vias de despejo em razão de dívidas. Mickey, Brand, Bocão, Dado e Bolão encontram no sótão um mapa e saem em busca do navio pirata que guardava o tesouro do Willy Caolho. Andy e Stef juntam-se ao grupo que se aventura por cavernas e trilhas subterrâneas. Chegar ao navio significava conseguir o dinheiro para saldar as dívidas dos pais e não precisarem mudar e dividir o grupo.

Durante a caçada são perseguidos pela família Fratelli, mafiosos fugitivos que tentam eliminar as crianças que descobriram o esconderijo da gangue. Surge na história Sloth, um monstro de bom coração que salva os jovens na jornada. O filme tem cenas clássicas e muito divertidas, como o momento em que Bocão utiliza sua habilidade na língua espanhola para assustar a empregada mexicana, ou quando Bolão conta todas as suas aventuras para os Fratelli, isso sem falar nos inventos de Dado que sempre davam errado. Claro que no final os bandidos são presos e tudo dá certo para os aventureiros e suas famílias.

Este é um clássico exemplo de que apelação não é algo fundamental para o sucesso de uma produção. Para quem está em casa, nesse friozinho, Os Goonies é uma ótima pedida para passar o resto da tarde embaixo das cobertas ao lado de um balde de pipocas.