Por Mariana Bernun

Olá Matraqueiros! É um prazer começar a semana com vocês na editoria emprestada da Ju Maffia.

Quando fui convidada a escrever em cinema, pensei em uma infinidade de filmes que eu poderia indicar, mas lembrei de um em especial que, além de ser brasileiro, arrancou muitas risadas enquanto assistia. O filme a que me refiro é Quincas Berro D’Água, uma hilária comédia lançada em 2010 e com ótimo elenco. Mas vou logo avisando, se você é um apaixonado por Jorge Amado não vá assistir ao filme com a certeza que terá uma fiel adaptação, pois isso não acontece.

É indiscutível que o livro “A morte e a morte de Quincas Berro D’Água”, de Jorge Amado é ótimo, mas o filme não se apega a tantos detalhes da obra e há quem diga ele perde a transição. No entanto, com as gargalhadas que o cinema dava a cada cena eu só posso ter a certeza de que o filme foi um sucesso.

A trama se passa em Salvador quando Quincas (Paulo José), um funcionário público que largou a família para viver na esbórnia, é encontrado morto. A esposa (Mariana Ximenes) ao saber tenta de todas as formas fazer um enterro que apague a má fama do arruaceiro para não mostrar a verdadeira identidade do esposo à sociedade burguesa a qual ela vive. Isso seria possível se os amigos de Quincas não o roubassem do velório a fim de dar ao morto uma última noitada pelas ruas noturnas de Salvador. Imaginem só, quatro homens e um morto na bebedeira, farra e orgia, daí matraqueiros, já se tem uma ideia da comédia que vem pela frente. Importante ressaltar a ótima interpretação de todos os atores em especial de Paulo José que fez um excelente trabalho como protagonista.

Além de ser um filme para rir passa também um pano de fundo muito legal sobre a importância da amizade, da crença e faz uma crítica à burguesia.

Veja o trailer

Para quem não assistiu ao filme tem dele disponível nas livrarias: Cultura e Saraiva