Se você sentiu falta dos nossos textos novelísticos, nossa querida portuguesa está de volta. Sintam-se à vontade… Mandem seus textos e ele pode ser publicado aqui.

Por Cláudia Brandão

Sabe aquele beijo de novela que te deixa sem ar? E aquele que deixa o seu coração batendo mais forte? E aquele que parece ser verdadeiro?

Pois é, acho que todos pensam como eu: não existe beijo técnico. E hoje esse é o tema do meu post. A nova novela das sete tem um título que por si só nos faz sonhar… ”Aquele beijo!”.

Quem não tem “aquele beijo” para se lembrar sempre? Se for no plural, melhor ainda.

Há quase um mês que a Globo nos embala, pela voz de Miguel Falabella, com uma “nova” história de amor e de beijos. Tem coisa melhor?

Eu sei, ainda não cheguei nem a 10 linhas, mas já fiz várias perguntas, não é? Mais uma! Não há como escapar, sempre que a cena de beijo aparece no nosso ecrã a nossa memória foge para o ultimo beijo, para o mais recente, para aquele que nunca tivemos, ou para o que tivemos e perdemos… é natural, é humano. E por isso digo mais uma vez, não há como fingir, não há como não sentir.

“Aquele beijo”… a Globo me supreendeu ainda antes de colocar o folhetim no ar. O anúncio era uma espécie de histórinhas que acabavam em beijo, e assim devia ser a vida… não seria muito melhor acabar em beijo do que em pizza?

O tema de abertura é “Garota de Ipanema”, mas apesar de estar muito bem idealizado, a voz da Xuxa consegue tirar um pouco minha atenção. Se há uma pessoa que ainda não percebeu que não tem voz, é ela… mas vamos ao que interessa: o beijo.

Não sei se já tiverem oportunidade de ver com atenção, mas as imagens que aparecem são de beijos de novelas antigas, atores que até hoje são lembrados por seus persoangens, e grandes histórias sempre são lembradas pelos momentos de te(n)são, amor, paixão e sim… beijo.

Se não vejamos, a globo não me deixa mentir. Novela “Por Amor”, mais do que a história da Eduarda (Gabriela Duarte), Helena (Regina Duarte) ou Marcelo (Fábio Assunção), a primeira coisa que me vem à cabeça é a paixão avassaladora de Milena (Carolina Ferraz) e Nando (Eduardo Moscovis). Os dois protagonizaram cenas de beijo, amor e paixão como ninguém e mesmo que sejam muito bons atores, com toda a certeza que deixaram aflorar qualquer que fosse o sentimento no calor do momento. Acredito que depois da décima vez gravando e regravando a cena, a vontade desapareça, mas e as outras nove vezes?

“O Clone”, foi tão verdadeiro o amor entre Jade (Giovanna Antonelli) e Lucas (Murilio Benicio) que os seus interpretes ficaram casados, na vida real, algum tempo. O filho deles está aí para provar que a ficção tem um pouco de realidade, ou será o contrário?

Podemos pensar num exemplo mais recenete, a atriz Carolina Dieckman, que interpreta Therodora na novela “Fina Estampa”, tem chamado atenção, não só pelas roupas de piriguete, mas também pelos avanços que dá no seu Mu (Dudu Azevedo)… e quem não se lembra dos beijos que ela roubou, e deu também, ao Reynaldo Gianecchini (Edu) na telenovela “Laços de Família”.

Quantos não são os atores que se envolvem nas gravações, nos bastidores? A raiva, o amor, a paixão, a tensão, a mentira, a verdade, a realidade ou a ficção… somos uma mistura de tudo isso, e no final do dia você não consegue deixar cair a máscara e o que você faz e vive fica com você, e aquele beijo também.

Pode sentir inveja, a Giovanna Antonelli já beijou muito nessa vida, e agora está trocando carinhos (nada técninos) com o meu conterrâneo Ricardo Pereira. E que sorte a dela e de todas as outras que têm a sorte de beijar os galãs da novela e chegar em casa e poder dizer “estava no script”… ah tá, me engana que eu gosto!

Agora vou ali e já volto. Se vou beijar? Não! Vou roubar, esses são os melhores!