Por Renniê Paro

Sabe aquela velha frase “o pior cego é aquele que não quer ver”? Pois é, já repararam como vivemos fazendo isso em nossas vidas. Passamos por inúmeras situações todos os dias e algumas, geralmente as que nos irritam ou magoam, nós simplesmente fingimos não estar vendo. Ou então pior, fingimos não ver os conflitos ou situações que exijam uma posição firme de nossa parte.

É dessa temática que trata a peça “Sem Pensar”. Espetáculo de uma jovem autora, Anya Reiss (17 anos). A montagem é inédita no Brasil e chega aos nossos palcos pelas mãos do cineasta Luiz Villaça, que a assistiu a peça pela primeira vez em Londres, em agosto do ano passado.

Foto: Divulgação

“Sem Pensar” transita pelas relações familiares, põe um olhar irônico nos conflitos, nas ausências e na falta de percepção de si e do outro no cotidiano de uma família.

Delilah é uma menina que, às vésperas de completar 13 anos, está prestes a ter seu primeiro caso de amor com Daniel, um rapaz muito mais velho que aluga um quarto em sua casa. Às voltas com um casamento em crise, seus pais, Vicky e Nick vivem dando um show de cegueira em hilárias discussões e não percebem nem o que acontece com a filha adolescente, quedescobrindo sua sexualidade, tornando-se quase uma tragédia, um drama, que toma conta do rapaz em conflito entre o desejo e a moral. A situação piora com a chegada de Carol, namorada de Daniel, criando um impressionante vaudeville dramático e cômico ao mesmo tempo.

Bem aquela coisa do “cada um por si, Deus por todos” que acontece em todas as relações familiares. A peça está em cartaz no teatro Tuca, às sextas, sábados e domingos.

Beijos matraqueiros lindos!

 

Ah…uma última coisa importante. Não sei se vocês sabem, mas rola, toda segunda-feira um espetáculo bem diferente do comum na Choperia Paulista, chamada “A Buzina Suspeita”. Como se fosse um stand up, mas com personagens caricatos de São Paulo. Estarei lá na próxima semana, quem quiser está mais do que convidado =D