Por Fernanda Beziaco

Hello navegantes, como estão nesta linda e ensolarada sexta-feira? Espero que bem, porque hoje meu post não será uma delicia, assim você me mata. hahahaha
Será um Dexter, assim você me mata!
Que trocadalho…

Essa semana eu li Dexter, design de um assassino, do Jeff Lindsay.
E, como o título já diz, eu não gostei.

Ahhh Fernanda, não acredito que você não gostou! Pois é queridos leitores, eu não gostei nadinha.

Se você, assim como eu, assiste a série, vai perder o tesão. O livro é confuso, enfadonho e devagar.

Toda a emoção que eu esperava encontrar na leitura, virou som de grilo. As frases na contra-capa:
“Dexter continua um ótimo cara, um maníaco homicida e…um gênio! Junte-se aos fãs de Dexter!” – Daily Record.
“Outro perseverante divertido e bem-sucedido episódio de Dexter… repleto de situações realmente engraçadas e tiradas muito inteligentes. Dexter consegue envolver qualquer um, não há como não gostar dele”. – Matthew Lewin Guardian.

Não se engane!

Sim, Dexter é um personagem genial. O problema é a narrativa de Jeff, que faz você ficar cansado de Dexter. Todo gênio é cansativo? Na série não, mas no livro, só lenga lenga.

Coisas muito diferentes da série você vê no livro e se espanta. Por exemplo, no livro, Debra (ou Debora) irmã de Dexter, sabe que ele é um assassino serial. Os filhos de Rita, esposa de Dexter, são “futuros pequenos assassinos”, que Dexter quer “treinar” para ser como ele.

Um dos detetives, que é o único que desconfia que há algo de errado com Dexter, é completamente diferente do personagem na série.

Entre outras coisas…

A trama no livro se desenrola muito vagarosamente e isso cansa o leitor (pelo menos me cansou).

Recomendo, de qualquer forma, que vocês leiam e tirem suas próprias conclusões. Eu, realmente, não fiquei nada empolgada para comprar os outros livros do Jeff. Vou continuar assistindo a série, pois é bem mais interessante.

Boa sexta!

Até a próxima…

Anúncios