Por Fernanda Beziaco

Olá leitores, olha eu aqui em pleno sábado, diretamente de São Simão – Goiás.

O texto de literatura ficou para hoje (e não ontem, como deveria ser) porque essa semana foi realmente muito agitada.

Sei que vocês já perceberam que o ano está acabando e que o clima de natal está invadindo os lugares, invadiu o Matraca também. Então, participe da promoção Matraca Noel, que vai sortear o novo cd da Amy Winehouse, o livro do Jô Soares e o dvd do Rei Leão. Para saber como, clique aqui.

Vamos ao livro desta semana? Vamos!

Nas ultimas duas semana eu li “Antes que eu vá” da Lauren Oliver.

O livro é juvenil e minha primeira impressão sobre ele foi: Malhação misturado com Patricinhas de Berverly Hills mais malvadas.

Apesar disso, a trama é razoavelmente interessante. A personagem central da história é Samantha Kingston ou Sam, que se descobre morta e presa ao dia em que morreu.

Como uma espécie de feitiço do tempo, Sam é “obrigada” a viver todos os dias  de sua morte até descobrir um jeito de ser libertada.

Sam é uma adolescente popular, com amigas populares. É do tipo esnobe. Por diversas vezes você sente raiva dela e das suas amiguinhas.

A questão é que conforme Sam vai revivendo o seu dia, ela vai mudando e descobrindo seus erros, os erros das suas melhores e inseparáveis amigas.

O livro é dividido em sete capítulos. O primeiro é sua morte e os seis seguintes são as suas chances de fazer tudo diferente. Em cada capítulo Lauren dá um final diferente para Sam e para os personagens secundários que fazem parte de sua vida.

A autora tem algumas peculiaridades, uma descrição quase obsessiva por cheiros e risadas. Como assim?! Bom, ela narra constantemente o cheiro que as pessoas têm, seus hálitos, o aroma nas casas, nos quintais. Além disso, tem as risadas, gargalhadas. Essas duas coisa me chamaram bastante atenção durante a leitura, porque eu me cansei desses detalhes. Na primeira vez é legal, mas depois achei a repetição cansativa.

Primeiro dia:

Sam acorda atrasada para ir a escola, sua melhor amiga, Lindsay, está esperando do lado de fora da casa. É dia 12 de fevereiro. Dia do Cupido. Ela e suas amigas combinam de usar a mesma roupa. Na escola é dia de receber “namogramas”, flores que servem para medir a popularidade de cada um (deve ser uma das coisas mais futeis que já li).

O namorado de Sam, Rob, está louco para ter a primeira noite com ela. Convenientemente, Kent, amigo de Sam que é perdidamente apaixonado por ela vai dar uma festa na mesma noite.

Todos vão.

Juliet, uma das meninas mais estranha da escola também aparece na festa e uma confusão acontece.

Quando Sam e suas amigas vão embora, um terrível acidente de carro acontece e é ai que Sam morre.

Calma, não estou estragando o final. Juro!

Logo no prólogo ela conta que morreu. Não se desesperem.

Claro que fiz uma versão muito resumida do que acontece no primeiro dia, isso é só para vocês terem uma ideia. Nos próximos dias coisas cada vez mais bizarras acontecem. Ela fica com um professor na sala de aula, resolve experimentar maconha com uma garota com quem nunca conversou, faz as pazes com a mãe, briga com as melhores amigas, rouba o cartão de crédito da mãe e gasta uma fortuna em roupas. Ela descobre segredos. Ela muda. Ela melhora

Ok, não será o melhor livro de sua vida. Também não vou dizer para vocês, ahhh comprem!

Porém, se tiverem a oportunidade de ler, leiam. É uma leitura de certa forma agradável.

O próximo livro por aqui deve ser 1984 do George Orwell, nem preciso dizer que é um clássico!

Para vocês um ótimo sábado e até a próxima publicação.

😉