Por Antonio Saturnino

É tempo de festas, presentes e emoções. Sem dúvida, essa época do ano mexe com todos. Não há quem passe incólume com a data, para o bem ou para o mal. Mas existem coisas relacionadas ao Natal que merecem ser esclarecidas, desvendadas. Como este espaço é para dar assunto a quem procura matar sua curiosidade, quem sabe algumas inutilidades colocadas aqui não sirvam para aquela hora da festa em que falte assunto. Vamos a alguma cultura inútil sobre o Natal.

O Papai Noel talvez seja o símbolo mais famoso do Natal. Ele perpassa por todas as ideologias e religiões e vira um símbolo sem vínculo. O Papai Noel tem relação com a história de São Nicolau. De família rica, ele nasceu no século III, em Patras, na Grécia. Com a morte dos pais, doou os bens e optou pela vida religiosa. Aos 19 anos, foi bispo de Mira (hoje Turquia), na Ásia Menor, no século IV. Diz a lenda que para auxiliar três moças que não tinham dotes para o casamento e poderiam assim ficar desamparadas, jogou um saco de moedas pela chaminé da casa, as quais caíram dentro de sapatos e meias que estavam no fogão. A fama de generoso do bom velhinho, que foi considerado santo pela Igreja Católica, transcendeu sua região, e as pessoas começaram a atribuir a ele todo tipo de milagres e lendas. A uma delas lhe deveu o mito de distribuidor de presentes que lhe converteria finalmenteem Santa Claus.Aolongo do século 19, Santa Claus foi representado de muitas maneiras. Ele teve diferentes tamanhos, vestimentas e expressões, desde um gnomo jovial até um homem maduro de aspecto severo. Em 1862, o desenhista norte-americano, de origem alemã, Thomas Nast, realizou a primeira ilustração de Santa Claus descendo por uma chaminé, embora ainda tivesse o tamanho de um duende para a revista Harper’s Weeklys. Pouco a pouco ele começa a ficar mais alto e barrigudo, ganhar barba e bigode brancos e a aparecer no Pólo Norte.

Outro símbolo forte do Natal é o presépio, que reproduz o nascimento de Jesus. O primeiro a armar um presépio foi São Francisco do Assis, em 1223. As ordens religiosas se incumbiram de divulgar o presépio. A aristocracia investiu em montagens grandiosas e o povo assumiu a tarefa de continuar com o ritual.

Já que o assunto e símbolos, a árvore é uma tradição de origem germânica. Conta que São Bonifácio (século VIII) adotou-a para substituir os sacrifícios do carvalho sagrado ao deus pagão Odin. O Santo impôs o costume de se oferecer uma árvore ao Deus Menino. Utiliza-se o pinheiro e o abeto. A escolha destas árvores tem uma explicação. Sendo árvores de folha perene, simbolizam a vida eterna que é um dom de Jesus ressuscitado. A cor verde de suas folhas é um sinal de esperança. Utiliza-se também o azevinho. Esta planta era para os romanos símbolo de paz e felicidade. Na Europa, uma das tradições natalinas consiste em decorar um pinheiro com maçãs, doces e pequenos wafers brancos, representando a eucaristia. Segundo a antiga tradição alemã, a decoração de uma Árvore de Natal deve incluir 12 ornamentos para garantir a felicidade de um lar: Casa: proteção; Coelho: esperança; Xícara: hospitalidade; Pássaro: alegria; Rosa: afeição; Cestas de frutas: generosidade; Peixe: benção de Cristo; Pinha: fartura; Papai Noel: bondade; Cesta de flores: bons desejos; e Coração: amor verdadeiro. No Brasil, o dia correto para montarmos a Árvore de Natal é 6 de dezembro, dia de São Nicolau, mais conhecido como Papai Noel. Segundo a tradição, deve ser desmontada no dia 6 de janeiro, Dia de Reis.

O costume de se dar cartões no Natal surgiu na Inglaterra. A confecção do primeiro cartão de Natal normalmente é atribuída ao britânico Henry Cole que, em 1843, encomendou a uma gráfica um cartão com a mensagem: “Feliz Natal e Próspero Ano Novo”, porque não tinha tempo para escrever pessoalmente a cada um dos amigos.

Pelo mundo, cada país tem sua tradição com relação ao Natal:

Suécia – Nos países escandinavos, o Natal inicia em 13 de Dezembro, data em que se comemora o dia de Santa Luzia. Nas festividades desse dia existem tradições natalinas muito peculiares como uma procissão em que as pessoas carregam tochas acesas. Fora isto, as tradições de Natal suecas são muito parecidas com as do resto do ocidente.

Finlândia – Na Finlândia, há a estranha tradição natalina de freqüentar saunas na véspera de Natal. Outra tradição natalina na Finlândia é visitar cemitérios para homenagear os entes falecidos.

Rússia – Na Rússia, o Natal é comemorado no dia 7 de janeiro, 13 dias depois do Natal ocidental. Uma curiosidade é que, durante o regime comunista, as Árvores de Natal foram banidas da Rússia e substituídas por árvores de ano novo. Segundo a tradição natalina dos russos, a ceia deve ter muito mel, grãos e frutas, mas nenhuma carne.

Japão – No Japão, onde só 1% da população é cristã, o Natal ganhou força graças à influência americana, depois da segunda guerra. Por questões econômicas, os japoneses foram receptivos com algumas tradições, como a ceia de Natal, o pinheirinho e os presentes de Natal.

Austrália – Na Austrália, o Natal é usado para lembrar as raízes britânicas do país. Tal como na Inglaterra, a ceia de Natal inclui o tradicional peru, e os presentes de Natal são dados na manhã do dia 25. Uma curiosidade: devido ao calor, alguns australianos comemoram o Natal na praia.

Iraque – Para os poucos cristãos residentes no Iraque, a principal tradição natalina é a leitura da bíbliaem família. Hátambém o “toque da paz”, que segundo a tradição natalina do Iraque, é uma benção que as pessoas recebem de um padre.

África do Sul – O Natal, na África do Sul, é comemorado durante o verão, quando as temperaturas podem passar dos 30 graus. Devido ao calor, a ceia de Natal é servida em uma mesa colocada no jardim ou no quintal. Tal como na maioria dos países, tradições como Árvores de Natal e presentes de Natal são quase obrigatórias.

Inglaterra – Na Inglaterra, as tradições natalinas são levadas muito a sério. Não é à toa, pois o país comemora o Natal há mais de 1000 anos. Presentes de Natal, pinheirinhos decorados e músicas natalinas são mais comuns na Inglaterra que em qualquer outro país do mundo.

Como dizer Feliz Natal em diversos idiomas:

Alemanha: Fröhliche Weihnachten

Bélgica: Zalige Kertfeest

Brasil: Feliz Natal

Bulgária: Tchestito Rojdestvo Hristovo, Tchestita Koleda

Catalão: Bon Nadal

China: Sheng Tan Kuai Loh (mandarín) Gun Tso Sun Tan’Gung Haw Sun (cantonés)

Coréia: Sung Tan Chuk Ha

Croácia: Sretan Bozic

Dinamarca: Glaedelig Jul

Eslovênia: Srecen Bozic

Hispanoamérica: Felices Pascuas, Feliz Navidad

Estados Unidos da América: Merry Christmas

Hebraico: Mo’adim Lesimkha

Inglaterra: Happy Christmas

Finlândia: Hauskaa Joulua

França: Joyeux Noel

País de Gales: Nadolig Llawen

Galego (na Galicia): Bo Nada

Grécia: Eftihismena Christougenna

Irlanda: Nodlig mhaith chugnat

Itália: Buon Natale

Nova Zelândia em Maorí: Meri Kirihimete

México: Feliz Navidad

Holanda: Hartelijke Kerstroeten

Noruega: Gledelig Jul

Polônia: Boze Narodzenie

Portugal: Boas Festas

Romênia: Sarbatori vesele

Rússia: Hristos Razdajetsja

Sérvia: Hristos se rodi

Suécia: God Jul

Tailândia: Sawadee Pee mai

Turquia: Noeliniz Ve Yeni Yiliniz Kutlu Olsun

Ucrânia: Srozhdestvom Kristovym

Vietnã: Chung Mung Giang Sinh