Mais uma vez a nossa convidada frequente, Cláudia, a portuguesa, passou por aqui!!!

Por Cláudia Brandão

Verdade seja dita, uma mulher bem má, bem cruel, bem vilã e bem bonita, aflora os mais puros dos sentimentos: o ódio e o amor que, como dizem por aí, são sentimentos que se completam.

Primeiro devo dizer, as grandes personagens da dramaturgia brasileira (e não só) são do sexo feminino (com uma mulher não se brinca) e todas elas foram vilãs!

Nada melhor do que uma mulher poderosa e de batom vermelhão para detonar a mocinha que insiste em ser agradável com todo o mundo. Nada mais envolvente do que perceber e , de vez em quando até torcer, pelos planos maquiavélicos das “mazonas” de plantão. O que chama mais a atenção é o olho raivoso, o cabelo espivetado, o corpo se mexendo para matar, a boca abrindo para revolucionar e umas boas gritarias para o público aplaudir.

Exemplos? Poderia ficar aqui o dia todo porque eu sou daquelas que vê novela por causa das brigas, mortes, confusões e muito, muito drama.

Uma das vilãs mais inesquecíveis, para mim, é Maria Regina (Letícia Spiller) em Suave Veneno. Roubou o pai, bateu nas irmãs, cuspiu na campa da irmã bastarda (a atriz Patrícia França), ateou fogo ao mundo e acabou a novela jogando o carro com o amante, “se eu não fico com você, ninguém fica!”. Acho certo, são as más que conseguem os homens mais bonitos.

Quem não se lembra da Renata Sorrah em Senhora do Destino? Até hoje é exemplo e foi tão marcante que a vilã do momento (Christiane Torloni) se inspirou para os seus assassinatos. Nazaré (Ranta Sorrah) se olhava no espelho e acreditava ser a mais gostosa, a mais loira, a mais bonita, a mais esperta. E não é que as vilãs são sempre maravilhosas e com um guarda-roupa de fazer inveja a qualquer mocinha, mesmo se ela termina a novela com o seu grande amor?! Não quero amor, quero glamour!

Não posso deixar de mencionar a minha querida Glória Pires que já fez vários papéis de vilã! Para além da tão aclamada Fátima em Vale Tudo, ela foi Raquel em Mulheres de Areia. Gêmea que se finge de morta, assusta o ´bobo´ mais doce, mata o amante, odeia a irmã, mente tanto quanto respira… são os melhores ingredientes para qualquer história e ainda bem!

Querem mais?

Lembram-se da Branca, Suzana Vieira, em Por Amor? Poucas atrizes têm a maestria de odiar os filhos como aquela personagem. Ela infernizou um dos casais mais lindos de sempre, Milena (Carola Ferraz) e Nando (Eduardo Moscovis), sem falar no amor doentio e sincero pelo Atílio (Antonio Fagundes). Ela acabou a telenovela sozinha, algo que todas as personagens de coração ruim têm em comum, mas sabem o que eu acho? Quanto mais você me bate, mais em gosto de você…