Por Marco Barone

Meus caros, vamos iniciar uma nova pequena série de curiosidades. Assim, consigo colocar em capítulos alguns assuntos que sempre vão nos ajudar naquele momento de falta do que falar. O que sempre defendo é que não existem informações sem sentido. O que existe é falta de ocasião para certos assuntos sejam abordados. É nisso que se resume este nosso espaço semanal: dar bagagem a você, leitor, para que tenha o que falar em uma roda de amigos.

Esta nova série vai retratar cultura inútil (que, aliás, nunca, em hipótese alguma, acho de todo inútil) sobre comidas. O primeiro capítulo é sobre o macarrão. Um prato que é quase uma unanimidade, pois é difícil achar alguém que não goste de um bom prato de macarronada.

– Espaguete é o aportuguesamento da palavra italiana spaghetti, um diminutivo de spago – corda

– A palavra macarrão (macaronis) veio do verbo maccari, de um antigo dialeto da Sicília, e significa “achatar”. Detalhe: maccari vem do grego makar, que quer dizer “sagrado”

– A origem do espagueti é mais antiga do que se imagina. Ele teria surgido na China há cerca de quatro mil anos e chegado à Europa por meio dos árabes

– Levado pelos árabes, o espaguete apareceu pela primeira vez na Itália no século XIII

– Existem mais de 500 variedades de macarrão na Itália

– O macarrão, e seu formato mais conhecido, o espaguete, chegou ao Brasil somente no século XIX

– Uma pesquisa realizada no Japão no início do ano 2000 considerou o macarrão instantâneo (o famoso Miojo) o maior invento japonês do século XX. Lá, existem mais de mil tipos desse macarrão e até existe um museu dedicado ao Cup Noodles

– Por incrível que pareça, o maior consumidor mundial de macarrão instantâneo é a China, que consome 44,2 bilhões de porções por ano (acho que isso se deve à população). O segundo é a Indonésia. O Japão é somente o terceiro colocado. Aos brasileiros, cabe o 10º lugar

– O espaguete era tão popular na Europa do século XVIII que aristocratas ingleses chegavam a viajar até a Itália só para comer a massa, vendida em barracas no meio da rua

– A produção mundial de macarrão instantâneo é de 85,6 bilhões de porções por ano (dados de 2005)

– O macarrão fresco deve sempre ser mantido na geladeira

– A massa deve estar al dente – nem muito dura, nem muito mole. Se cozinhar demais, ela perde o sabor e fica gosmenta

– Existem vários tipos de macarrão: os de formato longo (espaguete, talharim, ninho, canudo e linguine), os retorcidos ou furados (parafuso), os grossos (penne) e os chatos (massa para lasanha).

– Por que se deve cozinhar o macarrão em água que já está fervendo? Por dois motivos: para impedir que as substâncias da massa (sais minerais, por exemplo) se dissolvam e para não deixar que ela grude (o que é feito com a ajuda do óleo)

– O macarrão instantâneo cozinha mais rápido, porque ele já é pré-cozido durante a fabricação

– O macarrão instantâneo é mais rico em caloria. Enquanto 90 gramas de macarrão leva 315 calorias, o instantâneo leva 420

Agora, sabendo tudo isso você pode saciar duas fomes: a de saber e a de comer macarrão. Bom apetite e até a próxima semana.