Por Antonio Saturnino

É incrível como existe preconceito de ditos “moderninhos” ou pseudo-roqueiros em relação ao samba. Este é uma das maiores manifestações de nossa cultura, da grande mistura que é o povo brasileiro. Como falar de música brasileira, sem lembrar do talento de Noel Rosa? Ou do humor e criatividade de Adoniran Barbosa? Da nossa querida Marrom? Ou até mesmo do ritmo, como forma de protesto, nas letras de Chico Buarque? Da nossa bela Bossa Nova, que pode ser considerada uma vertente samba? Dos nossos belos choros? Não dá! Mesmo com todos os preconceitos, o samba resiste.

Para quem nunca teve a oportunidade de estar em uma roda de samba, aqui vai uma dica: o “Samba da Vela”. O encontro acontece às segundas-feiras, à partir das 20h, no Casa de Cultura de Santo Amaro. A entrada custa apenas R$ 2,00 e a doação é voluntária. Há de convir que não vai matar ninguém essa contribuição.

Fundado pelos sambistas Paquera, Magnu Sousá, Chapinha e Maurílio de Oliveira, o objetivo é enaltecer os grandes nomes da velha guarda e revelar novos autores. O show começa quando a vela é acesa e só termina quando ela apaga. Enquanto a chama está acesa, é impossível ficar parado.

Serviço:

Comunidade Samba da Vela
Endereço: Praça Francisco Ferreira Lopes, 434 – Santo Amaro – Casa de Cultura de Santo Amaro
Telefone: (11) 5522-8897
Site: http://comunidadesambadavela.com
Horário: segundas- feiras, a partir das 20h
Preço: R$ 2,00 (contribuição voluntária)

Anúncios