Mais uma vez a Dayane ataca de crítica na nossa sessão Matraca Aberta 🙂

Por Dayane Andrade

Quem aí já assistiu alguma versão do clássico de William Shakespeare, Romeu e Julieta? As mulheres com certeza suspiraram pelo Leonardo Dicaprio. Pois bem, o filme “Era uma vez…” com a direção de Breno Oliveira, é inspirado na obra, mas só que ambientada no Rio de Janeiro.

A história de amor é entre Dé (Thiago Martins), jovem pobre nascido e criado na favela do Cantagalo e Nina (Vitória Frate), garota rica que mora em um prédio luxuoso na praia de Copacabana, em frente ao quiosque em que o Dé trabalha.

Ok, já viu tudo, não é? Menino pobre e menina rica é a receita perfeita para um amor impossível.  Mas aos poucos o que era impossível acontece, e um lindo amor adolescente nasce entre os dois.

Claro que há certa resistência por parte das duas famílias, mais pelo lado da Nina que é órfã de mãe e vive com pai. Mas, que por incrível que pareça, resolve dar uma chance ao pobre jovem e aceita o relacionamento dos dois.

Eba! Tudo lindo! Então, já está pensando que esta história tem um final feliz? Calma aí, não vai esquecer que o roteiro do filme é inspirado na clássica peça de William Shakespeare, Romeu e Julieta. Logo, de romance a história passa para um drama quando o irmão mais velho de Dé sai da cadeia e resolve acertar as contas com o dono do morro Cantagalo. E quem você acha que vai pagar a conta?

Se você apostou nos jovens apaixonados Dé e Nina, acertou. Eles ficam no meio disto tudo sofrendo as mais tristes conseqüências. Eu não vou contar como a história termina, mas se você conhece o clássico Romeu e Julieta, já deve imaginar.

Vale a pena assistir, pois é uma história que tem tudo para ser um conto de fadas, mas é a mais pura realidade.

Anúncios

Por Fernanda Beziaco

Queridos leitores, como vocês já sabem, sexta é dia de literatura aqui no matraca.

E, hoje, resolvi escrever um post sobre livro que eu não consigo terminar de ler. Além disso, vou deixar algumas sugestões de leitura que recebi e que vocês podem gostar.
Vou começar pelos livros que eu nunca consigo ler até o final, o primeiro exemplo que tenho é A Sangue Frio, do Truman Capote.

O livro não tem capitulos, tem partes. São partes longas e extremamente detalhistas. Tive uma grande dificuldade em manter a leitura, pois sem as “pausas” que a separação por capítulos permite, fica muito dificil parar e continuar a leitura. Essa foi a principal razão para a desistência, conheço pessoas que leram e gostaram do livro.

Eu, sinceramente, não consegui e não tenho vontade nenhuma de fazer mais tentativas.

Outro livro que nunca consigo terminar, mas que as vezes faço algumas tentativas, é O homem que não amava as mulheres, do Stieg Larsson. Eu tenho a trilogia Millenium, que começa com esse, e depois é seguido por A menina que brincava com fogo e A rainha do castelo de ar. Como ainda não consegui ler o primeiro, também não li os outros dois.

Me esforço as vezes para pegar esse livro e ler, leio um capítulo ou meio e paro. Não que a história não seja interessante, mas a roteirização as vezes me cansa e me faz perder a vontade da leitura.

Um último livro que já tentei até de trás pra frente e não consigo ler de jeito nenhum é Chatô, do Fernando Morais. Desculpe o trocadilho, mas é chato! Tentei ler esse livro algumas dezenas de vezes, tentei ler do modo tradicional, tentei ler pulando capítulos, ler do último ao primeiro, ler do meio pra trás, ler do meio pra frente, só não tentei de ponta cabeça. Simplesmente não consegui ler. Depois descobri que o problema talvez fosse o autor, porque também não consegui ler Olga.

Enfim,  esses livros são, por assim dizer, meus traumas literários. Minhas leituras inacabadas. Fiquei me perguntando, será que isso também acontece com vocês? Abandonar um livro? Me contem, para eu não me sentir tão mal pelo meu desafeto com certas histórias.
Bom, agora vamos a parte boa! As recomendações.

Minha primeira recomendação é um livro muito popular em estudos pré vestibular, A hora da estrela, da Clarice Lispector. Confesso que tinha um grande preconceito com este livro, mas depois de lê-lo me apaixonei pela história e pela escritora. Se você ainda não leu, leia. Qualquer dia vou postar sobre ele aqui no matraca.

Outra sugestão é Depois daquela viagem, da Valéria Piassa Polizzi. É uma história fantástica sobre superação, sobre a luta contra o HIV e sobre quebra de preconceitos. Qualquer dia também falarei sobre ele por aqui.

E, por último, recomendo uma leitura Shaksperiana, Romeu e Julieta. Me lembro exatamente a primeira vez que li Romeu e Julieta, foi na adolescencia e me lembro de ter chorado muito rsrs. É um drama excelente, ainda mais lido numa versão bem antiga.

Bom pessoal, como vocês também já sabem, o matraca agora está no twitter.

Siga-nos @matracacultural. Sempre rola boas dicas e informações, além de promoções e sorteios.

Um excelente final de semana para todos vocês! Curtam o friozinho do outono 😉 e até a próxima sexta!